segunda-feira, 9 de março de 2009

Guardiões dos meus sonhos



Num lugar desconhecido
Mas muito familiar
Onde o verde e o cinza coexistem
Esse é o meu doce lar

Em batalhas sou invencível lá
Um nome por mil vezes escrito
Pois nas terras onde tudo é possível
Eu posso até mesmo voar

Um longo mergulho na escuridão
E ao cruel pesadelo estou de volta
Trabalho, vícios, doenças, solidão...
Mãos que levam um ente querido embora

Assombrado por sonhos maus
Eu clamo por seres estranhos
Protejam-me de modo leal
Ó guardiões dos meus sonhos

Protejam-me do perigo real
Do mundo do após o sono
Minha vida está em suas mãos
Ó guardiões dos meus sonhos

Nenhum mapa ou caminho
Nenhum navio no mar
Levam-me de volta àquelas terras
Naquele esquecido lugar

Com as minhas lembranças fugindo
Com o álcool a evaporar
Estou caído sob um teto a girar
Quando a noite vai surgindo

Caminhando no meio do lixo
Vejo flores num bosque tranqüilo
Atravessando lugares estreitos
Vejo sombras de um vale perfeito
Para além de grades e portões
É onde encontro por fim meus guardiões
_
Ass.: Márcio B. S.
_
Ouça: Eurythmics - Sweet Dreams
Assista: A Viagem de Chiriro (filme)

3 comentários:

Claudia Fernandes disse...

Oi, Marcinho, querido..

Qto tempo, né?? Tenho visto seus comentários lá no blog e adoro sempre, mas eu estava entrando só p postar e saía...
C relação ao poema, em certo momen to parecia até q tinha sido escrito p mim, dada a semelhança com alguns fatos recentes de minha vida.
Achei bem legal essa poesia...

Bjo gde,

Claudia.


P.S. "Tribo de skatistas, só que de pulacordistas" foi óooteeemo!!! rs...

Sentilavras disse...

Não conheço a música q vc indicou, mas o filme é MASSA DEMAIS! Adoro A viagem de Chihiro. Mostrei pra minha afilhada de 7 anos, mas ela ficou com medo do monstro q engole tudo.

ana wagner disse...

Nossa, Márcio! Estou te devendo muitas visitas mas minha vida anda
"embaralhada". Gostei do teu poemAa onírico. Ótima poesia!
Beijos
AW