quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Fascínio




A morte me chama
Conhece o meu nome
A morte me ronda
Me olha de longe

A morte me atrai
Sigo seus passos
Meu sangue se esvai
Continuo no encalço

Seguindo suas trilhas
Percorro o caminho
Ouvindo o chamado
Na noite me guio

Mas quando a vejo
E seu rosto encaro
Perco logo a coragem
Fugindo assustado

Então choro em seguida
Cicatrizo a ferida
E agradeço pela vida

Ass.: Márcio Beckman

2 comentários:

Claudia Fernandes disse...

Meu caro..
É muito bom vir aqui ler seus pensamentos e perceber q temos tto em comum...
Essa temática da morbidez X vontade de viver é uma constante..
Já escrevi vários poemas sobre isso, inclusive ironizando tb:

http://prosaicospoemas.blogspot.com/2007/06/morte-s-avessas.html


Ainda me sinto triste, mas começando a achar q estava supervalorizando algo que nem tinha tto valor assim.
Hoje mais cedo, um amigo italiano, percebendo minha tristeza e melancolia, me disse:

"Não existe artista "feliz", a cabeça viaja, sempre.
Talvez, às vezes, demais.
Mas o sofrer, pouco ou tanto que seja, fica tão cotidiano que fica normal.
Muita gente não entende. Isso é o que pode fazer sofrer, e tanto."
Eu achei q ele tinha razão. E de repente, me senti melhor. rs...

Adorei esse poema, mas nem precisava dizer, né?

Bjo e obrigada pela atenção no caso de meu poema perdido.

Um Momento disse...

Assim como eu
Cicatrizando feridas ´
Agradecida pela vida

Belo poema
Deixo um beijo
(*)