terça-feira, 2 de setembro de 2008

Rose, a destemida

__________________________

















____________________________

De longe ela vem rumo ao seu destino
Atravessando um longo deserto num rápido desatino
Incerta sobre tudo, mas guiada pela intuição
Segue um pólo magnético que se chama coração

Com a coragem e a vontade sempre como companhia
Chega ao lugar sonhado, mas a visão é desoladora
Onde antes um verdejante oásis existia
Encontra apenas sombras, apenas ruínas ocas

Mas a minha heroína não se mostra descontente
Escava o passado pra achar o seu presente
E lá, envolto num perfume de rosas pungente
Descobre novamente o amor que torna tudo florescente

Estão agora corpo e alma novamente reunidos
Bebendo-se a água da vida curaram-se os ferimentos
Planejando a próxima etapa, seguem seu novo destino
Rumam para o longínquo futuro seguindo os fortes ventos

Ass.: Márcio Beckman.

2 comentários:

Francisco Castro disse...

Olá, gostei muito do seu blog e de sua abordagem.

Parabéns!

Um abraço

Paladín Sombrío disse...

Lin vários textos e todos me pareceron excelentes. Saúdos dende a Galicia.